A

B

C

D

E

F

G

H

I

J

K

L

M

N

O

P

R

S

T

U

V

W

X

Y

Z


Artista de Hollywood considerada a primeira dama do cinema americano, célebre por ter sido a primeira mulher premiada com o Oscar de melhor atriz, por sua interpretação em três filmes da fase silenciosa do cinema: "Aurora", "Sétimo Céu" e "Anjo das Ruas". Recebeu sua estatueta num singelo almoço, no dia 5 de maio de 1929, das mãos de Douglas Fairbanks. Até então uma novata, contava apenas com 21 anos de idade e morava com sua mãe, tendo comentado sobre a ocasião: "Enquanto dançávamos, víamos as pessoas mais importantes de Hollywood girando ao nosso redor".

Gaynor nasceu no dia 6 de outubro de 1906, em Filadélfia, Pensilvânia, e era conhecida na comunidade cinematográfica por ter os pés no chão e não se deixar afetar pelo brilho da meca do cinema. Entretanto, quase dez anos se passaram até que a atriz ganhasse a consagração definitiva, ao participar da primeira das três versões de "Nasce uma Estrela", talvez sua atuação mais inesquecível. Janet Gaynor estreou no cinema como figurante em 1924, mas se tornou uma das estrelas mais populares do cinema mudo a partir de 1927 quando estrelou "Sétimo Céu".

Nascida Laura Augusta Gainor na Filadélfia, mudou-se com sua família para São Francisco durante a infância. Quando se formou no colégio, em 1923, Gaynor decidiu perseguir a carreira no mundo artístico. Ela se mudou para Los Angeles, onde se sustentava trabalhando em uma loja de calçados, recebendo 18 dólares por semana (2009: 230 dólares). Ela conseguiu posar e faturar pequenos papéis em vários filmes e curtas de comédia por dois anos. Finalmente, em 1926, na idade de 20 anos, ela foi escalada para um papel principal em "The Johnstown Flood" de 1926. No mesmo ano ela foi selecionada como uma das Baby WAMPAS Estrelas (com Joan Crawford, Dolores del Río entre outros). Seu excelente desempenho lhe valeu a atenção dos produtores, que lhe lançaram em uma série de filmes.

Durante todos os anos que se sucederam à interpretação de Diana, em "Sétimo Céu", Janet se viu obrigada a trabalhar em papéis que lembravam a mesma personagem. Os produtores de Hollywood não acreditavam no talento da atriz, julgando que a heroína que a consagrou era a razão de seu sucesso. Janet era só uma sombra e era preciso recorrer à Diana na luta frenética pela continuação de seu êxito. Seguiram-se filmes fracos que quase encerraram a carreira da estrela. Em 1936, a Twentieth Century-Fox não renova seu contrato mas apenas por pouco tempo Janet fica amargurada. Seis dias depois a Selznick International convida-a para o papel principal de "Nasce Uma Estrela", resultando num sucesso enorme e quase que recriando nas telas seu drama na vida real.

Depois da década de 30, Janet abandonou as telas para dedicar-se ao marido, o desenhista de moda Gilbert Adrian, e ao único filho, Robert. Em 1957, ela voltaria, ao lado de Pat Boone em "O Sonho que Eu Vivi". O Presidente Franklin Roosevelt dirigiu-lhe um amável galanteio, num jantar em que foram apresentados: "ela é fresca como um botão".

A atriz chegou a dividir-se entre os Estados Unidos e o Brasil ao adquirir uma fazenda em Goiás, de 1952 a 1974. Denominada Fazenda Amazonas, a 70 km de Brasília, sem estradas, sem eletricidade e muita poeira, conforme ela mesma chegaria a afirmar. No clima tropical, o marido Gilbert Adrian esperava poder recuperar-se melhor de um distúrbio cardíaco de origem nervosa. Em 1959, com a morte do esposo, ela deixou o Planalto Central e voltou somente para visitas. Passou a viver em Palm Springs, na Califórnia, casada pela terceira vez, com o produtor Paul Gregory e dedicando-se à pintura.

Em 1978, em entrevista a Judith Patarra, da revista Veja, ela externou sua desaprovação com os filmes fortes e comentou: "Não acho que uma jovem deva se casar virgem, mas as cenas amorosas no cinema deviam ser tão casuais como..." E completou, em alegre português: "Como tomar um cafezinho". No início de 1980, Janet Gaynor estreou na Broadway com a peça "Harold and Maude", a versão teatral do filme "Ensina-me a Viver", estrelado por Ruth Gordon.

Dois anos antes de morrer, Janet sofreu um grave acidente automobilístico no qual teve onze costelas quebradas, uma clavícula fraturada, fratura pélvica, bexiga ferida e um rim danificado. O motorista bêbado da van, Robert Cato, foi condenado a três anos de prisão por dirigir embriagado e por homicídio culposo. Ela foi enterrada no Hollywood Forever Cemetery, em Hollywood, Califórnia, ao lado de seu segundo marido, Adrian, mas em sua lapide se lê "Janet Gaynor Gregory" em homenagem ao seu terceiro marido, o produtor e diretor Paul Gregory. A atriz faleceu vítima de pneumonia, aos 77 anos, em 14 de setembro de 1984.

Veja outra foto de Janet Gaynor


Filmografia
1925: No Arrastão da Vida (The Burning Trail)
1925: Luar, Música e Amor (The Plastic Age)
1926: Fazendo Fitas (The Beautiful Cheat)
1926: A Inundação (The Johnstown Flood)
1926: Mas que Enfermeira! (Oh What a Nurse!)
1926: Charlestonmania (Skinner's Dress Suit)
1926: A Folha do Trevo (The Shamrock Handicap)
1926: Na Pista dos Salteadores (The Man in the Saddle)
1926: A Águia Azul (The Blue Eagle)
1926: O Beijo da Meia Noite (The Midnight Kiss)
1926: Alma que Volta (The Return of Peter Grimm)
1926: A Fazenda Roubada (The Stolen Ranch)
1926: Ben-Hur (Ben-Hur: A Tale of the Christ)
1927: Aurora (Sunrise).....Mais informações
1927: Sétimo Céu (Seventh Heaven)
1927: Os Reservistas (With Love and Hisses)
1927: Precisa-se de Duas Moças (Two Girls Wanted)
1928: Os Quatro Diabos (4 Devils)
1928: Anjo das Ruas (Street Angel)
1929: O Sonho que Viveu (Sunny Side Up)
1929: Estrela Ditosa (Lucky Star)
1929: Dias Felizes (Happy Days)
1930: Tristezas da Aristocracia (High Society Blues)
1931: Papai Pernilongo (Daddy Long Legs)
1931: Deliciosa (Delicious)
1931: Divino Pecado (The Man Who Came Back)
1932: Casar é Assim (The First Year)
1932: Borrasca (Tess of the Storm Country)
1933: Adorável (Adorable)
1933: Ver e Amar (Paddy the Next Best Thing)
1933: Feira de Amostras/Feira de Ilusões (State Fair)
1934: O Seu Primeiro Amor (Change of Heart)
1934: Cinderela à Força (Servants' Entrance)
1935: Mais uma Primavera (One More Spring)
1935: Amor Singelo (The Farmer Takes a Wife)
1936: Garota do Interior (Small Town Girl)
1936: Mulheres Enamoradas (Ladies in Love)
1937: Nasce uma Estrela (A Star is Born)
1938: Jovem no Coração (The Young in Heart)
1938: Nancy Tem Três Amores (Three Loves Has Nancy)
1957: O Sonho que Eu Vivi (Bernadine)


BR Busca JS - Busca
Banco de Dados
Para uma resposta mais rápida, utilize aspas na consulta, exceto quando tiver dúvida com relação à grafia do nome
Janet Gaynor
  Se você gostou, compartilhe esta página no Facebook
• fechar janela •